Quando é hora de empreender?

Muitas pessoas sonham em empreender o próprio negócio, tem boas ideias, mas tem dificuldade em dar os primeiros passos na direção do empreendedorismo. Há alguns anos atrás, depois de trabalhar um bom tempo como empregado, tomei a decisão de não depender mais de um empregador para o meu sustento. Estava cansado de me sentir desvalorizado, de ver a empresa em que eu trabalhava perdendo muito dinheiro e não poder mudar esses resultados por estar de mãos atadas pelos meus empregadores e por último, da percepção do quão frágil era a minha condição como empregado, ninguém é insubstituível dentro de uma organização, nem o presidente, que dirá os que estão abaixo dele.

Quando comecei a empreender não tinha uma ideia clara do que fazer, apenas que precisava fazer algo para ganhar o meu sustento, depois de alguns anos de experiências e tentativas comecei uma empresa na área de webdesign com meu sócio, e continuo assim até hoje.

Esta empresa me colocou em uma posição privilegiada, pude ver em primeira mão o nascimento de dezenas de empresas, e também a morte de outro tanto delas. Pude ver empresas se reinventando e inovando, assumindo posições de destaque no mercado. Também vi outras perpetuando o conservadorismo e a busca, não por superar, mas por se igualar aos seus concorrentes, copiando cada estratégia dos líderes de mercado com alguns meses, ou até anos de atraso, mantendo assim a segunda posição.

Empreendedorismo é mais do que abrir um negócio, é inovar e fazer a diferença no ambiente em que se encontra. Mas voltando ao assunto, qual o melhor momento para empreender?

A resposta parece tola, mas é a verdade. Devemos empreender agora! Pois um empreendimento de sucesso não é criado do dia para a noite, é um processo que começa na mente das pessoas, como uma ideia. Essa ideia vai tomando forma até se tornar um modelo de negócio, neste ponto você percebe que precisa se organizar, planejar, fazer orçamentos, e mais uma série de tarefas que só servem para transformar aquela ideia em um plano estruturado no papel.

Com esse plano em mão nós podemos começar a implementar o que planejamos, até o lançamento do nosso negócio.

O momento varia para cada um, se hoje você está em um emprego estável, sugiro que começa a planejar o seu empreendimento. Já vi muitas pessoas largarem o emprego em busca de uma ideia que as vezes nunca passou disso, uma ideia. Seja por já haver alguém ocupando esse espaço no mercado, seja por inviabilidade, ou por falta de dinheiro. É mais seguro primeiro fazer o planejamento com a certeza de um salário todo mês do que se ver sem rendimentos e obrigado a tirar o próprio sustento do negócio que pretende começar.

Muitos se encontram desempregados, na crise econômica que afeta nosso país, eu mesmo me vi nessa situação algumas vezes. Aqui existem duas considerações, por um lado você tem tempo e energia para se dedicar integralmente ao novo empreendimento, se conseguir sustentar a si mesmo e ao novo negócio ao mesmo tempo. Por outro, a necessidade de ganho financeiro pode fazer com que apresse o lançamento, ignorando pontos importantes do negócio em detrimento da urgência de ganhar dinheiro, isso muitas vezes leva a um fracasso prematuro de um negócio que poderia ter dado certo.

Já falamos do sujeito que está empregado, do desempregado, mas ainda falta um, o que já é dono do próprio negócio. Muitas vezes sentimos que nosso negócio atingiu um ponto de estagnação, trabalhamos muito, ganhamos o máximo daquele empreendimento, os clientes estão satisfeitos, está tudo lindo, só que não.

Estagnação é péssimo quem qualquer ambiente, seja na natureza, seja nos negócios. Estagnação drena nossa energia e motivação, fazendo com que a qualidade de nossos produtos, serviços e atendimento ao cliente comece a cair, e com isso já sabemos o que vem em seguida. Se nesse meio tempo aparecer um novo concorrente no mercado, com ações ousadas, cheio de energia e motivação é o que basta para jogar a pá de cal no seu negócio. Já presenciei isso em vários lugares, de padarias a indústrias, negócios digitais e empresas de serviços. Já vi isso em mim mesmo, pois já estive nos dois lados da moeda, já fui o empreendedor que conquistava clientes de empresas consolidadas e já me vi na estagnação perdendo clientes para novos empreendedores.

Por isso sugiro que empreenda agora, independente da sua situação atual, comece a pensar em necessidades que não estão sendo atendidas, comece a escutar as reclamações das pessoas de uma outra forma, e encontre maneiras de atender essas necessidades através de um empreendimento sustentável.

 

Sem avaliações ainda, seja o primeiro

Avalie nosso artigo

Comentários